quinta-feira, 28 de junho de 2012

Urgência ou discriminação?

Há cerca de 2 meses fui a uma entrevista de emprego (que por acaso era para uma empresa bastante conhecida).
A entrevista estava a correr muito bem até ao momento em que foi questionada a minha disponibilidade.
Ora tendo os meus pequenos pouco mais de 2 meses na altura, informei essa situação e disse que se tivessem urgência teria disponibilidade parcial imediata, e que quando eles fizessem os 4 meses me disponibilizava totalmente.
Resposta do outro lado: "Temos mesmo muita urgência na função, e queremos disponibilidade total e imediata. Poderia ter-nos informado dessa situação quando lhe telefonamos, pois teríamos evitado isto."

Esta semana, ao ver anúncios de emprego, deparei-me com um novo pedido da empresa, para a mesma função.

Então... e a urgência????

Por acaso, fiquei consciente de que a função não seria para mim, pois exigia bastante disponibilidade e deslocações internacionais frequentes (que neste momento não vêm nada a calhar com dois pequerruchos).
Mas, que tinha vontade de lhes enviar um email, ai isso tinha!!! 

2 comentários:

ML disse...

Discriminação, claro!!

A sério, este apoio e incentivo à natalidade é assustador...

Estou grávida de 23 semanas, irei ter o meu príncipe para outubro. O meu contrato acaba em agosto e estou cheia de receio que não em renovem.. :(

Sempre fui uma funcionária exemplar, cheia de responsabilidades, sempre dei tudo pela minha equipa e sempre, sempre fui elogiada,... trabalho numa das empresas mais conhecidas neste país, e acredita que se nºao me renovarem o contrato falarei! Não vou ficar calada!

Bomboca do Amor disse...

Este tema deixa-me um bocadinho revoltada. Com os nervos em franja. Felizmente, não senti isso na pele, aliás, sinto-me uma privilegiada por poder trabalhar a partir de casa.
É muito triste saber que em pleno século XXI ainda convivemos com situações assim!
Vê o lado positivo, uma empresa assim não é merecedora do teu trabalho e dedicação.
Beijinhos,
Bomboca do Amor.